Quando a quarentena vai acabar? Veja como a ciência responde

Um estudo publicado na prestigiada revista Science assustou os brasileiros: segundo previsões dos pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, caso não seja encontrada vacina eficiente contra o novo coronavírus ou um medicamento que cure a doença, o mundo deve seguir até 2022 em distanciamento social intermitente.

Como o Sars-Cov-2 é um vírus completamente novo, ninguém tem anticorpos contra ele até ser infectado. Além de recebermos a carga viral despreparados, o coronavírus é muito contagioso e o corpo demora a combatê-lo. É por essa conjunção de fatores que os sistemas de saúde do mundo estão correndo para ampliar a capacidade de atender pacientes graves.

Os casos confirmados de Covid-19 podem evoluir para quadros críticos (principalmente em pessoas com outras comorbidades, como diabetes ou cardiopatias), e a internação dura, geralmente, mais de 14 dias, ocupando o leito por muito tempo.

O estudo reforça o que já se sabia: o coronavírus não vai desaparecer sozinho. As medidas de distanciamento social são fundamentais para garantir que o governo tenha tempo de preparar hospitais e para que toda a população não fique doente ao mesmo tempo, mas é importante que se crie imunidade contra a doença.

Segunda onda
Porém, calibrar quando restringir as medidas de distanciamento ou flexibilizá-las é muito difícil e, até aqui, o mundo não tinha tanta experiência com quarentenas restritas. A anterior implantada no Brasil, por exemplo, foi em 1918, durante a Gripe Espanhola. A China, primeiro foco da epidemia do mundo, adotou restrições severas e conseguiu controlar o vírus, mas, agora, luta para evitar o que os especialistas chamam de “segunda onda” de contágio.

No caso da China, o que mais preocupa é a circulação de coronavírus fora de Wuhan, trazido por viajantes. No Brasil, uma segunda onda aconteceria (como prevê o estudo de Harvard) ao se flexibilizar o isolamento social antes da hora. Se a população sai às ruas para retomar a vida normal enquanto ainda há grande chance de contágio, observaríamos mais uma “onda” de pacientes inundando os hospitais do país.

Ainda não há comentários

Deixe sua Opinião

Your email address will not be published.